Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

folhasdeluar

Poesia e cenas do dia-a-dia

folhasdeluar

Poesia e cenas do dia-a-dia

Tudo é sombra...

images.jpg

(foto Brassai)

Relembro no teu olhar o infinito..eras o rumor de tanta coisa que existia

Eu era o sol desperto onde teu o mar entrava...eu abria as asas e era feliz

Tu rias de todas as maneiras que não sabias...eras a iluminação profunda

A vida reunia-se em ti...e vestia-se de todas as cores que aconteciam no crepúsculo

Havia qualquer coisa de eterno..como se uma divindade nos acolhesse nos braços

Hoje abro a janela e vejo deslizar o horizonte...mas já não sinto o teu bater de asas

Hoje vejo as sombras do que fomos..

Como se acertasse contas com um passado sem sentido

Vejo a geada a evaporar-se na manhã fria...como um adeus a todas as coisas

Há ramos despidos na romãzeira onde nos sentávamos

Há ausência depois da existência

Mas há também um aceno imóvel no silêncio...um chamamento claro...

Mas no perfume árido dos caminhos onde te persigo...tudo é sombra...

 

 

Não deveriam os sem-abrigo ter um estatuto como os refugiados?

2índice.jpg

 

O ano está a acabar e não o posso finalizar sem recordar os sem-abrigo. Portugal vai receber centenas ou milhares de refugiados,(situação com a qual concordo), mas...não serão também os sem-abrigo portugueses de alguma forma refugiados? É por causa disso que eu acho que se há pessoas a dormir na rua é porque do ponto de vista político não há vontade de resolver esse grande drama que são as pessoas sem casa. Se vamos arranjar locais onde os refugiados possam viver porque é que não se aplica a mesma filosofia aos sem-abrigo? Na verdade custava muito pouco ou quase nada arranjar soluções para estas pessoas, porque é de pessoas que se trata, não é de coisas...são pessoas. Sem fazer comparações, (não me interpretem mal), quando um animal é encontrado na rua, há locais onde o recolher, curiosamente quando as pessoas são obrigadas a viver na rua, resta-lhes as arcadas ou as ombreiras das portas.Seria muito simples acolher todos e digo TODOS os sem-abrigo, bastava por exemplo que cada quartel de bombeiros acolhesse um, ou que as Juntas de Freguesia se disponibilizassem a recolher também uma pessoa,poder-se-ia acrescentar a igreja, através das paróquias e das casas paroquiais, com um pouco de solidariedade tirar-se-iam de rua todos os sem abrigo.Bom 2017 para todos.

 

 

 

Barco-pássaro

Barco-pássaro que recolhes o Inverno nas mãos

Deslizas por entre os beijos da folhagem sentida

Fresco limiar de crisálida embalada num azul-cansado

És como as asas de um peixe que esvoaça à luz do pensamento