Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

folhasdeluar

Poesia e outras palavras.

folhasdeluar

Poesia e outras palavras.

Só o presente é eterno.

Só o presente é eterno.

Mas a vida vive sempre daquilo que «sai daquilo que ainda não é, atravessa o que é inextenso, para se perder naquilo que já não é.» Plotino

 

 «O que depende de nós de nós não está na acção mas reside na inteligência.Por outro lado, qualquer acção, mesmo que seja dominada pela razão, é misturada, e não pode depender puramente de nós» Enéades

O rio

 

O rio pergunta-me pelo destino do dia

Será que as folhas já começaram a cair na letargia das ruas?

No declive das horas o mundo continua a rebentar pelas costuras

Há aves caídas... nas sombras...há passos de gente sem passeio...

Há apenas existências de pessoas que tombam na incerteza clara das horas

O azul do céu assoma por sobre os ombros atarefados de gentes inóspitas

Os sinos rebentam como sirenes esmagadas por passos sólidos

As portas fecham-se como se ninguém soubesse que lá vive o caos...ou o amor...

Quem sabe ao certo que dias se escondem nas asas das gaivotas?

Quem sabe ao certo que dias arrasta dentro de si?

Enquanto as penas...levemente...se acomodam às ruas silenciosas...

 

 

 

Saio para a madrugada

Saio para a madrugada como quem entra para dentro do destino

Os meus passos falam de segredos que não posso contar

Mas...procuro o ouvido...aquele onde descansa o som do mundo

Quem sabe se hoje as horas cairão mais suaves sobre o meu acordar

Mas...enquanto as folhas caem e o pó solidifica sobre os móveis

Escuto nas paredes o som de um sono sólido

Como se fosse a anestesia das horas...

 

 

 

Nós...

 

 

Nós... joguetes místicos de uma luz desconhecida

Gostávamos de saber quem somos quando passamos nos caóticos acordes dos dias

Mas não...é impossível...não há outro mundo onde possamos ser o que somos agora

Que venha o vento acordar a febre das pedras

Que venha o vento ciciar às velas

Que venha o vento afagar o tom violáceo das tardes

Se em nós nada resta...se de nós nada sabemos...

Talvez uma fé desconhecida se erga dentro do turbilhão da alma

Talvez encontremos consolo nas coisas desconhecidas

Talvez a vida seja o pão que o diabo não amassou

E nós sejamos a cotovia que desperta quando nasce o sol

Para voar dentro dessa luz...que nos fere a vista...

 

Fechemos os olhos

 

Fechemos os olhos e escutemos as folhas cair

Sejamos tempo...sonho...cinza e mar

E quando as papoilas nos desvendarem o sabor da luz

Sejamos o saibro que constrói a nossa alma

 

Sobre a areia derreada pela espuma

Olhamos o voo inútil das garças

E como trágicas searas...despertamos...

Para a noite...

 

Pág. 1/4