Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

folhasdeluar

Poesia e cenas do dia-a-dia

folhasdeluar

Poesia e cenas do dia-a-dia

A floração dos corpos

 

Acordo e alguém me diz: envelheceste

A noite condensou-se no gelo que bebeste

O corpo permaneceu...sagrado

Por fora...coberto de presságios...por dentro...

Rasgado.

 

Imóvel...intacto...

Semente de palavras esquecidas

Constato que a felicidade brilha no astro que se espreguiça na água do lago.

 

Cobre-me a noite...cobre-me a vida

Estranhas asas em mim desfalecem

Como se a eternidade fosse sentida

Dentro de sentimentos que não permanecem.

 

De bom grado aceito o espelho onde a noite se instala

De mim...nada lembrarei um dia

Nem o frio aquático da inocência

Nem as asas furiosas da bala

Nem a semente que me arrasta para os espaços

E que cresce dentro da carcaça da minha melancolia

E se encosta à minha eterna dormência...

Feita com os meus olhos já gastos..

 

Diz-me o que ficará das nossas falas

O que restará das nossas conspirações

Entre o outono que vem e a estrela que cai

Que espaço nos resta para a floração dos nossos corpos?