Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

A harpa

Tombados sobre a nossa própria pele

Respiramos as invisíveis luzes do deslumbramento

E mesmo que das montanhas se ergam rugas

E mesmo que a nudez se cole ao nosso corpo

Como o aroma de uma resina fresca

Seremos sempre peixes secretos

A navegar num fragmento de ausência

E mesmo que perturbemos o silêncio dos fantasmas

Aqueles fantasmas

Que florescem nas nossas grutas mais secretas

Aqueles cuja agonia é um vazio de estátuas

Expostas à mutilação do tempo

A nossa alma acenderá sempre o brilho antigo da vida

Erguer-se-á sempre do branco respirar da espuma

Como uma tarde que cai nas sombras do ocaso

E se enreda na fantasia de um relógio parado

Mas nós iremos por esses caminhos

Iremos preencher o vazio dessas estradas

Como quem escuta as sílabas de um Deus atónito

Ou o som de uma harpa chamada... Vida.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.