Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

A vacuidade dos sonhos

Beija depressa o fundo do meu sonho

Afoga-te nessa acendalha de ternura

Porque só eu sei ouvir o lume que aquece os vidros do tempo

Só eu vejo os sonos blindados nas frontarias de cal

Onde as rajadas de vento cantam como rouxinóis.

E as mãos secam o tumulto das horas

De que serve perguntar pelas cortinas fechadas?

De que serve servir de mestre e espada?

Se o risco dos lábios se levanta

E as palavras que nunca se acomodam

São objectivas ...grandes angulares

Feitas de vida e vinho e ritmos frenéticos

Aí está a vacuidade dos sonhos

A despedidas dos dias

A vida feita lenha e água

Mas a chama...

A chama de abrir muros e ganhar batalhas

Nunca seca.

8 comentários

Comentar post