Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

folhasdeluar

folhasdeluar

Absoluto

Também tu me embalas como quem esquece a noite

Também tu me enredas nesse cravo apontado ao pensamento

Tu meu teorema assombrado...tu minha pele...

Tu meu medo e meu segredo.

 

Na minha orla decifro o vazio dos instantes

Nas covas das faces decifro lendas e palavras caladas

E eu só quero aproveitar aquele momento

Em que os relógios se erguem...e me mostram

A limpidez do frio que sai do gelo das plantas

Para me eriçar a sede de ser...homem.

 

Sim...saltei para a escuridão e confundi a noite

Era mais um a tocar os seios nus do silêncio

Era mais um a não querer apodrecer na geometria dos dias

Era apenas mais um...a querer o que não sabia.

 

 

Deixei que uma fonte cantasse para mim

Teci inocências junto à água

E tive a sensação de tocar o absoluto....