Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Ao longe...

Meu percurso...meu sol

Minha ilusão de ser pássaro

Minha concha onde deposito a memória das águas

Meu corpo fustigado por salinas

Não cabe dentro do meu desconsolo

Lancinantes dedos...envelhecidos ventos

Alma desarrumada no centro das sombras

Por cima de mim passam memórias...retratos

Epicentros de rostos afastados

Dispersas redes anunciam voos imprevistos

Resistências de chuva e areias

No abdómen do cansaço resiste o vislumbre de um olhar

De uma breve penedia

De um tempo pesado a sorrisos

Como chuva que improvisa o consolo dos solitários

A poeira vem de longe

Ali e sempre o infinito...o tempo

A magia sem rumo dos rostos

Ali as mãos...aqui os olhos

O encanto das dálias a acenar breves despedidas

Itinerário uno de outrora

O sonho encosta-se ao bojo das fragatas

As cicatrizes desfraldam as velas

E seguem suspensas na melancolia

E o rio... o labirinto

A alma sem peso nem combustão

Fluida como a gestação das plantas

Inocente como uma pétala...mineral e inconstante

As nuvens trazem saudades.

O mar acorda as guitarras...o corpo perde-se

Ao longe...

 

6 comentários

Comentar post