Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

folhasdeluar

folhasdeluar

Apetece-me abrir a terra

Apetece-me abrir a terra e sentir na mão o caroço do tempo

Apetece-me abrir a boca e sentir o uivo do vento...cá dentro...

Depois poderei ser o avesso de mim

A conjunção de uma alma a cintilar no meu breve ocaso

Ou um lugar onde nada mais se sente

Como a infinitude do mar...ou o breve respirar da espuma

Apetece-me lançar fogo às palavras que me queimam

Subir pela combustão negra dos carvões

E pisar o lodo que me queima os pés

Por vezes vejo a estrela cadente do futuro

Outras vezes sinto o meu reflexo caindo numa espiral de bruma

Sinto que não sou mais que um sinal apagado pela aspereza das pedras

Sinto que sou o instinto que corre nas águas salobras

Agarro-me a esse anjo desconhecido...sem nome nem paz

E vou pelo vai-vem incessante das tardes

Buscando no fundo do coração a viagem escondida

Ou o som puro de um instante transformado a mundo...