Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Bebi o fel do mundo

Naquele dia cantei como se fosse apenas mais um dia

Sequei rios...bebi o fel do mundo

Cantei como se acendesse

As páginas atlânticas dos meus punhos

Como se erguesse um código

Onde a memória tropeça...boquiaberta

Cidade ou cegueira..pensar

Porque o tempo é o ofício da memória

E o chamamento do mar

Enche-nos o corpo de falésias escarpadas

Arder...dentro de uma promessa

Colher..estrelas do mar...e zarpar

Zarpar dentro de uma ferida de vento

Conjugar a arte de marear

Clamar pelo regresso dos incertos

Crescer dentro de um espírito

Que arde na alva clave de sol

Tudo vem do tempo das rochas

O dentro e o fora são memórias.

A garra que nos atrai

É o fogo da cegueira a queimar a lua

É a melancolia a lavrar a cidade

É a cigarra ferida pelo fim do verão

É a nau...

Que voga sozinha por entre a multidão.

4 comentários

Comentar post