Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Breve pele

Evadi-me do mundo

Como quem se despede da perfeição do destino

Cambaleei...na suspensão abandonada do lago

E perante a luz branca e gasta

Ouvi mil vozes semeadas no acaso.

 

Passeei como quem embala o olhar

Esqueci gestos e naufrágios

E uma alma misteriosa

Ergueu-se num anseio desconhecido.

 

Definitivamente...sei que esta rua é minha

Que os degraus que subo me acompanham

Como se não houvessem mais ruas

Nem mais certezas

 

Pedaços de noite salpicam os caminhos

Perderam-se no rumorejar das folhas outonais

Solitários pedaços...caindo um a um...

Na beleza inerte da estrada...

 

Percorri o silêncio que as aves escondiam

Silêncios de cores desconhecidas

Como ecos de passos passados

Desbotados pela sofreguidão dos dias.

 

E se um instante de mim se perder

Sei que estarei sempre...naquela casa branca

Onde o tempo me dissolveu...

 

Que trazes tu aí meu cansaço de planície?

Que gestos escondes na ondulação da seara

É vastidão de mim a implorar por mais sonhos

É a infiltração das horas a pedir mais força...mais força...

Para continuar...

 

Sei que o que sinto pertence ao tempo

É mais que tempo...

É areia a desfazer-se em ausências...

 

Neste caos feito de eternidade

Nesta presença de heróis e guerras

A tragédia de viver...está inscrita na pele do vento...

Breve pele...de vento...

A desdenhar sobrenaturais vidas.

 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Folhasdeluar 25.01.2022

    E a quem pertence o tempo?
  • Imagem de perfil

    imsilva 25.01.2022

    Ao próprio tempo...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.