Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Breviários

Breviário I

E como se tivesse subido a um tempo feliz e inocente

toquei com a ponta dos olhos no mar...

Breviário II

Infinito... o sol beija o meu corpo abandonado à brisa

as horas correm no canto das aves

e o tempo pára dentro da minha alma.

Breviário III

Espero que a madrugada se erga por detrás das colinas

vejo o vento que empresta a sua força às vagas

e sei que tenho um dia inteiro para caminhar pelo sonho adentro.

Breviário IV

O nosso presente é sempre o fantasma do nosso futuro...é um entrelaçar de dias e emoções... que culminarão no dia em que a nossa luz se apague...

Breviário V

Os passos que conheço são vestígios imaginários das ruas da cidade inexistente...

por isso os meus olhos se colam à sedução de um destino inesperado...

Breviário VI

Cintilante o vento fingia que trazia em si a imagem das palavras

Ao longe as vagas no oceano rugiam...

E fulgurantes pensamentos atravessavam as minhas mãos destapadas

Como se fossem rostos que por mim subiam.

Breviário VII

Vive em mim a espera de um passado errante

Divido os dias para além de mim

E tu és o êxtase..

O vento que fustiga a alma com uma dor cantante

Um amuleto que uso sem nada possuir

E em vão persisto em ficar aqui.

Breviário VIII

Um barco saltou pela minha janela..ancorou na planície para além da maresia

O seu rumo eram outras terras...outro escoar de manhãs

Um chão pequeno que o ouvisse...uma pele sem remorsos

Mas a aurora encontrou-se com o lodo...e o rio ficou feliz.

Breviário IX

Deixei para trás as coisas que me devoravam...agora o tempo amansou

Mas continuo a tactear os dias..

Como um adolescente deitado sob árvores frondosas.

Breviário X

Era o fogo da cegueira a erguer-se...nostálgico

Eram imagens que devoravam o tempo do esquecimento

Vestígios de memórias encravadas em nós

A erguerem-se do mais profundo sopro do nosso peito.

Perdidas...como a lisura dos espaços desertos.

Breviário XI

Nada nos separa das pedras...

Porque do promontório vê-se a distância onde o nosso olhar se encanta.





5 comentários

Comentar post