Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

Poesia e cenas do quotidiano

folhasdeluar

Poesia e cenas do quotidiano

Canto-te!

As minhas palavras ficarão perdidas neste montado de sobreiros feridos...

Tal como nos rostos adormecidos... há distâncias imperturbáveis.. .corações secos

Apagados pela chuva que lentamente se esgota nas tardes sofridas das marés

E nas plantas residem os lamentos das almas... veias doces... águas feridas... chagas

Sim... sentirei a tua pele a insinuar-se dentro de um tempo que tritura as tardes

Sim... continuarei a ser a saliva impossível das cidades... a límpida solidão coralina

Escuto todos os lamentos... sei que os dias são tão iguais como sempre foram...

E sou teu... no sono enfeitado com luas prateadas... habito....

No ventre líquido da ternura...canto-te!

6 comentários

Comentar post