Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Carta de amor

Meu amor!

 

Lembras-te daquela tarde em que primeiro te peguei nas tuas mãos, e depois os nossos lábios se colaram?

Lembras-te que aquela tarde passou a ser a tarde dos momentos floridos que jamais murcharam?

Ali fomos vento e brisa e espuma. Ali fomos amor e sol. Ali, eu soube que eras tu, acima de todas as coisas, quem eu queria para a vida...para toda a vida.

Meu amor, tu és o adro para onde os meus passos cegos se arrastam.

És o mar largo onde o horizonte não acaba, e não acaba, porque cabe dentro dos meus olhos, que te procuram sempre como que encandeados por um sol de felicidade.

Mas há sempre algo mais em ti.

Há sempre um roseiral de dias a florir em cada manhã que acordamos juntos.

Há sempre um infinito a descobrir por entre a espuma e o azul do teu mar.

Povoas a minha sede de ti como se fosses o êxtase de uma rota sem limites, onde cresce a minha ânsia de te ter sempre mais e mais.

Todos os meus pequenos gestos, todos os meus sentidos, se encaminham para essa grande entrada no país do amor, que és tu.

Hoje, após tantos anos, só uma ambição prevalece em mim...sentir-te junto ao meu coração,sempre... como se fosses um perfume palpável, ou uma fragrância de pele que vive na minha carne.

Sinto tanta irrealidade nesta nossa realidade, que temo acordar um dia com a proa de um barco negro a enterrar-se na minha alma. Esse barco que um dia nos levará,e que fatalmente nos separará. Mas o que hoje sei é que aqui estamos, até quando, não sabemos, Mas o que sabemos, é que o barco que nos conduz, é feito de carinho e de luz.

É feito de uma imensa fé no nosso amor! Essa fé em que acreditamos, nunca nos faltará... porque somos um só.

Do teu J.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.