Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Credor do tempo.

Há estranhas vozes que ecoam nas letras

É estranho o espaço da insónia

A glória das janelas abertas

A velocidade do grito

A visão da fúria dos desertos

As coisas que não ousamos e as que usamos.

 

Aposto que conheces o interior do vento

Aposto que conheces a gravidade da vida

Aposto que sabes que o olhar das emoções

Se mostra no final das lágrimas

E que o cair da noite dilata as perpectivas.

 

É tão bom beber o suco da vida

Quebrar o sonho da ave

Pertencer apenas às palavras

Cismar com elas

Permanecer no princípio do querer

Andar a mil há hora num temeroso rasto de cometa

Que desliza pelo corrimão das escadas.

 

 

Sabes quantas lágrimas cabem dentro das horas?

E quantos sonhos invadem a sede?

E que falar de amor é acabar com o cansaço do infinito?

Sim...eu sei que sabes

Sei que tens os lábios secos

Sei que ainda não entraste na imobilidade do silêncio

Sei que ainda não derramaste o teu tempo

Pelas frestas inventadas das flores

Sei que já foste ao cimo dos choros

E que fingiste deslizar pela alucinação das sílabas

E que como uma janela entreaberta ao cair da noite

Fingiste ser o credor do tempo.

8 comentários

Comentar post