Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

É para ti que escrevo

índice.jpg

É para ti que escrevo as palavras que me queimam a fala

São para ti os sinais que a luz transporta através do sopro abafado da paixão

Pernoitámos numa absurda maré onde agonizavam flores

E dentro do peito naufragavam ensanguentadas cidades rubras

Nunca soube sufocar os gestos que me atormentavam..

Nunca soube beber os recantos onde a felicidade se escondia

Agora imagino que dentro do esplendor da boca pernoita o medo

Agora imagino que no silêncio da areia há uma profundidade de janelas abertas ao luar

Construí-te no sítio onde os teus sinais queimavam a noite

E os teus olhos eram o centro do mundo..espiral profunda de uma vida mineral

Fímbria iluminada pelo frio..onde os lábios se tranquilizam e a espuma nos aborda

Agora...existe o silêncio a escrever nos sítios onde a voz não chega

E no peito perfurado pelo nada..desenho um mar que me ensina a voltar..sempre..a ti...

Como uma onda onde as águas murmuram...que a felicidade não é um crime absurdo

Que é possível viver nos desertos...que é possível deixar um rasto no silêncio

E que se pode erguer a cabeça sobre as silvas do crepúsculo

E do nevoeiro que cobre as areias pode surgir um sonho estelar

Como um mar que nunca acaba...redoma de nada...língua de sonhos...

Ou um rasto de memória esquecida sobre a extensão dos dias...

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.