Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Esplanada

autumn-cafe-elena-elisseeva.jpg

(foto tirada da net)

A tinta escorre e as palavras ganham vida. É preciso lutar. É preciso pagar para viver. É preciso fazer um esforço para sobreviver à absoluta maçada de me levantar da cama. É assim o desamparo dos dias. A intransigência dos dias. Uma esplanada. Um tipo que finge que coxeia e pede esmola. Sei que finge porque já o vi a andar como qualquer pessoa que não seja coxa. Sento-me virado para o lado do inverno. Procuro esquecer o mundo. A arenosa praia sustenta os meus pés descalços. Divago. Não vejo o mar. Estou na esplanada. Escuto o vento nas folhas das árvores. Parece mesmo o marulhar das ondas. Divago. A esplanada é uma tribuna por onde espreito quem passa. É uma extensão da minha vida. É a minha ignorância das horas. Perto de mim senta-se alguém. Não sei quem é. Não volto a cabeça. É alguém que também tem que percorrer um implacável destino. Somos tão ignorantes. Glorificamos a solidão. Sofremos com a solidão. Estagnamos. Estou na esplanada. No outro lado da rua uma imensa parede impede o meu olhar de convergir com o horizonte. Viva o futuro e o frenético reino dos animais. Viva o Homem e o apocalipse da Terra. Estou na esplanada. Pessoas secas e de subsolo pobre atarantam-se no passeio. Apertam-se no passeio. Sempre gostei muito de pessoas. Agora já só gosto de algumas. Vejo em cada rosto um silêncio de asfixia. Olham para o futuro como quem não sai de casa. Constroem palcos e ensaiam discursos. E eu na esplanada. E mais pessoas passam a gesticular verdades. As suas verdades. Se fosse eu que mandasse...construía uma consciência em cada rua. Em cada beco. Em cada pedra da calçada...uma ilusão. Divago. A alma deve estar ao serviço do homem. É preciso plantar árvores e regar a anarquia. A coesão da sociedade depende da suprema subtileza dos discursos. Divago. Raios de luz coalham-se no tampo da mesa. A noite tem um preço. A imaginação cabe em qualquer espaço. Só não cabe na cabeça de quem a não tem. Estava na esplanada. A noite caiu. Arrefeceu o dia. Levantei-me e...dei de caras com a minha força de vontade para continuar a sustentar a Vida!

8 comentários

Comentar post