Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Farol fundido

Dissolvem-se os dias na ratoeira dos segredos

Desaparece a alma num incêndio escondido

A solidão é um hálito que os olhos exalam...um farol fundido...

Um balanço de vela no mar revolto

Cheiro a crucial liberdade onde o mundo se esvai...

Desperto na alvura de um regaço..luz de mim...luz de fim ...

Talvez o mundo não nos queira...

Talvez a luz branca seja o ponto onde desaparecemos

Talvez o bando de aves que se fundem num céu oculto...

Não seja mais que o estalido da liberdade.

 

Sentes o cheiro da solidão? Ardes numa dança de farol? Talvez não saibas de ti...mas...

Na tua alma vive um fim... uma força que baloiça num apetite de mundos encobertos

Ardes como um acordar dentro do sol... cresces e apagas toda a escuridão....

Irritas os pássaros que te apertam o coração...

És o ferro fustigado que se vinga nas ruínas da cidade

Acorda... paira no centro de ti a sede das pedras...

Calcárias sementes de portos desconhecidos

A cinza dissolve o mundo... o ar adensa-se na placidez de uma janela fechada...

Em ti...

 

E eu... aperto os punhos contra o fundo rugoso do mar... dispo-me como uma máquina...

Sinto a linha do horizonte como se fosse o centro do futuro...

E durmo... como se não houvesse nada maior que eu!

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.