Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Fio de tempo

 

Guardo dentro de mim essa vida construída na insónia

Esqueço o passado...atirei-o ao vento...e sigo sereno e límpido como um lago

Habituei-me às sombras...aprendi a ler as horas no silêncio das florestas

Nenhum caminho me detém...nenhuma aflição me acode

Sou um frágil fio de tempo a oscilar num pêndulo indefeso.

 

A nada posso atender...tenho todo o tempo que preciso...sigo

Dissolvido numa réstia de mim...imagino caminhos...profecias...ilusões

Habituei-me a ser o barro...o barco...o cais onde aporto

Sou o lume suspenso na paciência da noite...

Sou aquele...o tal...a minúscula pedra preciosa...

Que o tempo vai polindo...

 

Vivo escondido dentro dos pássaros

Hei-de encontrar a ressonância de mim

E mesmo que nos meus pés ecoe a poeira dos caminhos

Haverá sempre um lugar onde possa lançar a minha âncora esfaimada

Porque há um lugar inconfundível

Onde as velas não temem o vento

E os olhares e os rostos...não fogem...

 

Que aconteceu hoje?

Que pessoa procuro dentro da alma que se esvazia na calma da tarde?

Pluma de serenidade a procurar o chão...a cavalgar o vazio das ruas

Como quem respira pelos poros das pedras

E não se encontra cá...

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.