Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Há muito tempo...

Enternecidos poemas caem do sonho que vibra na alma fresca da noite

Em redor de nós..a madrugada fustiga o sono incerto dos agapantos

Abandono-me à voz que me acorda..aos vidros espelhados da tempestade

Sou como o marinheiro que desperta perante a imperfeição do leme

Sou o adolescente sono que cobre a fantástica água da nudez

E as promessas...são percursos cheios de armadilhas subtis

Sei que dentro de ti mora a face nua dos sorrisos..o vício de seres imperfeita

A oferta dos ombros despidos...o cortante vento que cobre a nossa embriaguês

Agora já não importa

Que a noite se cubra de filamentos nervosos

E que o vinho se entorne pelas palavras

E desça até à nossa pele

Convenientemente

Agarro-me à jaula onde depositei a minha loucura

Rio de coisas que os copos me contam

Tenho nos lábios o desgaste das luas

Tremo perante a teia que a ternura obscurece

Mas dentro de nós descobrimos sempre mais sorrisos

E a fresquidão da luz traz até mim os olhos do mar

Sobreviverei ao caminho

Que toca os meus pés de náufrago cambaleante?

Ou insurgir-me-ei contra o vento

Que me surpreende junto à janela?

Vento que me diz que há uma noite que queimei junto a ti

Há muito tempo...

7 comentários

Comentar post