Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

folhasdeluar

Poesia e cenas do dia-a-dia

folhasdeluar

Poesia e cenas do dia-a-dia

Histórias como já não há...

 

Quando era miúdo costumava ir passar uns dias a casa da minha avó que vivia numa aldeia alentejana. Nessa aldeia havia duas mercearias a da Maria e a do "marreco"...porque como é óbvio o dono era marreco...coitado. Nesse tempo as mercearias vendiam um pouco de tudo, até vendiam comprimidos para a dor de cabeça. Um dia ia eu com a minha avó à mercearia e vem uma vizinha que lhe pede para lhe trazer uns comprimidos Melhoral porque lhe doía a cabeça, mas...diz a mulher - se não se importa traga-me da Maria, que eu não gosto dos do marreco...