Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

Poesia e cenas do dia-a-dia

folhasdeluar

Poesia e cenas do dia-a-dia

Hoje blogo eu - Os sonhos

Quase sempre os sonhos são uma sucessão incoerente de alucinações. Nesses sonhos a mente esforça-se por fazer o mesmo trabalho de coordenação lógica que faz durante a vigília sobre as sensações. No sonho a mente liga entre elas, por um elo imaginário, todas as imagens descosidas e preenche as lacunas demasiado grandes com estratos de sensações reais que ficaram gravadas no inconsciente.

Numa pessoa normal, os sonhos comportam-se como uma compensação da situação consciente que os viu nascer. Eles protegem o sono na maior medida possível. Servem como contrapeso às emoções que experimentamos no consciente. Na verdade os sonhos são a porta de entrada no inconsciente, onde se mistura o fantástico, o absurdo, o real, o irreal e também o que nos toca mais profundamente. Os sonhos vão beber muitas vezes aos nossos sentimentos e a situações que estão latentes em nós e também aos nossos recalcamentos e não é raro transformarem-se em pesadelos.

Há muito mais a dizer sobre a psicologia do sonho, mas esta é uma possível explicação para os sonhos de uma pessoa normal, porque depois existem diversos tipos de sonhos em pessoas com complexos ou que viveram situações traumáticas que o consciente quer esquecer, mas que se mantêm latentes no inconsciente.

Créditos -baseado em -  Carl Jung - o Homem à descoberta da sua alma

6 comentários

Comentar post