Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Literalmente palavras...


Suspenso num enorme espelho azul...toco a luz branca dos sonhos


Imerso...ancorado num céu onde as árvores se pintam de flores doloridas


Sigo o caminho do não-regresso...lá fora... o gelo despede-se do seu próprio frio


Todas as coisas estão suspensas num tempo que se desenrola de dentro para fora


Brincam ás infâncias que correm pelas ruas desertas...


Onde há brechas nos ossos opacos dos sonhos...


Só as árvores pintalgadas de flores violetas penduram em si os dias felizes...solares


Há no ar uma sensação de olhos colados ás vidraças..há aquele céu sempre presente


O gelo que se derrete acorda os animais...límpido gelo que toca o funda das vidas


E se o céu fosse um espelho onde as águas se mirassem?


Quantos campos vazios nos ouviriam assobiar? E o inverno? Seria uma cama inacabada?


Podíamos nadar em corpos espessos...feitos de cores solitárias...


Ossos salientes...magreza...pinhais que se desmoronam em bocados de papel...palavras


Literalmente palavras...gestos suspensos....cores...apaixonadamente frágeis...despidas


E nas águas profundas desenvolvem-se vidas secretas....brancas..cegas...luzes


E pelas janelas escorre a maresia da noite...explodem sóis matinais....há uma sensação de fuga


Presságios vagueiam como cometas..luminosos espelhos onde se escreve dor..


Com o dedo indicador!


 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.