Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Mato a minha fome de tragédia

Mato a minha fome de tragédia
Neste teatro em ruínas
Onde assisto a uma peça sem futuro.
A comicidade dos homens
Mostra que as profundas galerias da alma
Não passam de recantos vazios de si
Desesperadamente tentamos contrariar o destino
Enquanto ele sorridente ferra o canino na nossa jugular.
Então... pacientemente desprovidos de sangue
Etiquetamos o nosso cadáver para o seu prazer
Vestidos bizarramente com as melhores roupas

Insignificantes seguimos até ao desenlace final
Pesadamente descarregados do tempo feito
De relógios parados na nossa última hora.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.