Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Meu mar sereno

Meu mar sereno onde caminha a hora das aves

Minha praia onde me esvazio do infinito que me cobre

Tuas ondas são navios onde me agarro

São teias onde floresço

São cavalos de luar debruçados sobre a minha alma

Nada mim sobrará depois da espuma

Nenhum pedaço de mim

Traçará um rastro na penumbra dos baixios

Não haverá rumo...nem triunfo...

Nem restos de flores a soçobrar nas correntes

Eternas correntes que correm lisas pelos caminhos do sal

Livres e soltas de amarras

Como ventos assoprados por uma madrugada crua

Sozinha...sem rasto de mim

Sem lastro de crinas ao vento

Numa tese sem fim

Onde vou caminhando na hora seca.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.