Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Noite e insónia

Chegamos com obscuros olhos

Rasgam-se em nós mapas e arquipélagos

Sentimos as palavras que nos alumiam

Somos medo e granito e somos segredo

Na brancura dos nossos passos dormitam sombras

Mistérios...remotas eras

A vida surge ao nosso olhar

Como a alucinação dos promontórios

Mares e tempestades assolam a nossa alma

Os pântanos são planícies feitas de prata suja

Construímos lendas a partir dos sinais que as velas ostentam

Apontamos o dedo aos martírios

E descobrimos

Que dentro da tempestade há um perfume inebriante

Sabemos que pertencer à tribo das constelações é como uma febre

Uma febre que nenhum termómetro assinala

Assim...

Há que alimentar o nosso rosto com novas paisagens

Há que caminhar pelos dedos dos alucinados

Ser a pelagem da vida

E se descobrirmos no canto dos barcos as rotas desconhecidas

É porque dentro de nós ainda vive um sonho inacabado

Um sonho que nenhum mar corroeu

Nem nenhum sal desbotou

Sabemos que cada vento trás consigo um poema

Que cada passo nos aproxima do corpo dos frutos tropicais

Sabemos que o tempo é um agitar de lutos

Surdos tempos...doces cantos

Que nos acolhem

Dentro de um xaile feito de panos antigos

Pesados como a noite e a insónia...

 

4 comentários

Comentar post