Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Nos braços da madrugada

Olhares embriagados e sórdidos

Espreitam a morte sob a chuva que enche os rios

Vinhos...cartas de jogar fora

Cansaços marítimos de mapas extraviados

As cidades passarão por nós na noite atlântica

E as marés levarão os rios até à foz

Não há cansaço nos ventos

Que giram pelos pontos cardeais dos jardins

Não há sujidade no canto das águas

Que se extraviaram pelas colinas verdejantes

Porque nós caminhamos sempre rente ao mar

Como marinheiros sem estrada

Nascemos numa manhã que nos ignorou

E regressaremos numa noite que não nos recebe

Não precisamos transportar mais cidades pela calada da noite

Agora podemos dormir descansados

Todas as coisas vão pairar sobre as avenidas...

E todos seremos o público que vai morrer

Nos braços evaporados da madrugada!

6 comentários

Comentar post