Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

O grito

O grito do silêncio ergue-se como um perfume

A brisa sopra como uma felicidade omnipotente

Dentro de mim acende-se um sol de memórias

Dentro de mim há uma arca

Onde guardo a pedra, a flor seca, o tempo de nós

Olho para dentro desse tempo onde o ar secava o sal

Olho para essa lacuna de mim onde apodrecem os dias

E vi...refletida no chão a alegria de mais um dia

De mais um espelho baço

A erguer-se na intacta expressão dos meus olhos

Como um coluna de aves a voar sem destino

Mas sempre a subir...a subir...

Até serem apenas infinito.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.