Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

O preço do nada

Ardem-me os olhos em cósmica ternura

Mas neste imenso céu de corvos

Imagino-me a beijar a carne dos astros

A difundir a minha maneira de não estar

E a aceitar pagar o meu preço de homem sem préstimo.

 

Em toda a gente vejo um astro frio

Por toda a parte declinam os bocejos

E a vida ali...tão perene...a arder...

Num alvoroço de aves sombrias.

 

E não me digam que os rios dormem na boca dos peixes

E não me digam que as almas saltam do corpo dos enforcados

Não digam nada que me gele

Nem afirmem nada que se crave na minha fome de tudo ser possível...

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.