Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

O princípio de ti

Gostavas de saber tudo o que podes ser

Gostavas de espalhar magias..segredar aos mares

Gostavas de desembocar numa rua

Onde as feridas da alma se lavassem na textura das luzes

Gostavas de saber que inúteis dias se desprendem dos gestos

Que asas voam em direcção a um mar amorfizado

Que águas se pressentem no tempo das tempestades

Que telas se escondem

Por detrás das coisas que te transportam

Hoje é o tempo das janelas

Que se abrem a um tempo de melancolia

Hoje é o dia das luzes incompreendidas...ilusórias

Há uma variação de tonalidades na noite do pensamento

Há um alicerce que te agarra à terra

Uma ferida que se encolhe na febre das paredes

E na fímbria dos olhos há uma alma

Que se desprende em variações de cores outonais

Que assombros se alimentam da ventania breve que te assola?

Que ilusões te sacodem as tardes

E se depositam na febre ancestral dos teus passos?

Nada há fora de ti que não seja ilusão

Nenhuma chuva..nenhuma lama

Nenhuma viela ...te pode trazer a tua história

E se souberes perguntar à noite com as palavras certas

Ela vai falar-te de medos..de fel

Dde brilhos que povoam as vagas

E se sentires que o espaço é um jardim a perder de vista

É porque no teu caminho há uma sede

Uum vago sentimento de magia

Que vive no humilde assombro de seres uma vida

Um mundo...um esforço

Porque hoje és a soma de todos os teus fantasmas

De todos os teus séculos

Abertos na superfície ilógica da alma

E de vez em quando..cismas que és vácuo

Que és uma veia...ou uma emanação

E então surge em ti a caótica noite das vagas...da espuma

Dos muros onde o desespero assoma

Como uma madrugada onde a geada

É o consolo da vertigem que te assola...

E onde sabes que a primavera

É o princípio de ti...

 

6 comentários

Comentar post