Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Redoma...

É tempo de falar da idade dos rostos que refulgem numa redoma de pele

É tempo de falar do sossego...e dos lábios que se apagaram num mar de estevas

É tempo de voltar à vertigem dos mastros e dos poros obsessivos da noite...

 

Não encontraremos o nosso verdadeiro rosto numa fotografia

Podemos olhá-la como restos invisíveis da passagem do tempo

Podemos até dizer mentiras nos labirintos abruptos do riso

Mas a noite...essa certeza que nos conduz aos confins do medo

A noite que não podemos despir...

É uma fantasia que nos assola como uma memória feita de profundos nadas.

 

 

Quando percebermos qual é a voz das letras

Quando dissermos que não nos lembramos da idade dos desejos

Quando os dias rebentarem nas flores dos cardos

E o murmúrio do peito for feito de uma dor insuportável

Abriremos os braços...

Abraçaremos a cumplicidade das sílabas que nos falam de coisas desconhecidas

Seremos o começo e o fim...

De todas as memórias felizes.

 

 

Quando o sol se despe dos seus contornos

Invento flores gestos e vulcões

Quando as feridas se abrem na lua

E a saudade parte o caule à distância

Construo um muro de pálpebras alquímicas

Que veem os pássaros a crescer nas árvores

E tecem o vazio das noites

Com as algemas da chuva que me cai nos braços...

 

E o tempo...é um muro trémulo a tapar o sol...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.