Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Somos um Universo de palavras murmuradas

Somos feitos de tudo o que é feita a terra
Somos calor e densidade....tédio e semente...
Somos paisagens...história...mundo e realidade
Somos beijos partidos por um espesso pôr-do-sol que nos atravessa os lábios
Que nos fura as palavras..as dores...
E somos feitos pelo escuro em que nos afundamos em chamas...
Somos um Universo de palavras murmuradas
Pessoas densas como camas desfeitas
Somos um planeta a partir espelhos...que não nos vêem no escuro...
Cabeceamos como quem leva um inesperado upercutt da vida
Levantamos os olhos negros e acariciamos as crianças
Escurecemos contemplando a área cúbica do coração
Só para saber o que lá cabe mais...
Palavras...amor...paisagens...incertas certezas e certezas incertas...
De tudo temos que ter a medida...até do tamanho dos nossos braços
Temos que saber o que podemos abraçar...profundamente...
Deixamos a suave luz afundar-se em nós...e somos penumbra...
Deixamos que uma aura nos envolva...e somos exóticos...
Deixamos que um caroço nos cresça na garganta ao final da tarde...e somos antecipação
Pairamos sobre as nossas línguas...e somos felizes...
Envolvemos tudo em pétalas coloridas...e somos do tamanho das flores...
Somos do tamanho do silêncio e das mãos caladas...calejadas...inundadas..
Inundadas pelos corpos lisos e sedosos das mulheres...
Inundadas pelo frenesim arquejante da pele arrepiada
Inundadas pelo odor a a lábios crus... mordidos...sugados...
Ah, mas temos profecias para decifrar...
Temos tatuagens esculpidas na alma...como mapas a cheirar a rosas...
Canções sem letra...trauteadas por anjos desconhecidos...
Que acariciamos na nossa escuridão...como mistérios...
Haverá outro céu? Haverá outra terra?
A nossa alma é tão vasta que tudo pode abarcar...
Até a penumbra acariciante...de uma eternidade feita de relâmpagos e trovões
Até a poesia da rotina fatal do quotidiano...em que renascemos todos os dias
Até a nossa memória ancestral...que vive na penumbra esquecida do tempo...
Mas o que nós temos mesmo que imaginar...
É que as nossas mãos são a batuta que dirige a orquestra...
Que interpreta a música celestial da nossa alma....


 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.