Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

folhasdeluar

folhasdeluar

Sonhos impossíveis...

Invoco a minha carne dispersa pelo entardecer

Disfarço a minha ausência

Debaixo dos andrajos que me restam do corpo

Arredo-me dos caminho

Sou a gazela fugindo da secura da cidade.

 

Um dia percorri todos os estremecimentos da luz

Fiz de mim um fogo fátuo

Transpus os portais do silêncio

Queimei as horas e despedi-me das sombras do meio-dia

Ceguei

Porque vi descerem pequenos raios de luz sobre a lividez dos rostos.

 

E o deserto marcou a sua passagem pelos jardins

Caminhei devagar pelos ruídos

Alguém me perguntou pelos sonhos

Interrompi os passos

Abri os olhos sobre o mar

Ali estava o berço

A voz aniquilada do sol

A velhice sem lembrança

O desprezo dos ventos..morava também ali

Junto à entrada daquele mar feroz

Avancei por mim adentro

Lembrei-me de bater à tua porta..persegui-me

Mas a lama dos poço profundos

Agarrou-se ao meu caminho...

E desfiz-me numa enorme constelação

De sonhos impossíveis...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.